Intervenção das forças armadas

"intervenção armada é crime inafiançável e imprescritível".

Ministério da Defesa

Intervenção das forças armadas

Por Raquel Brugnera - 29/08/2021

Hoje, domingo, 29 de agosto, aconteceu um fato histórico que você precisa interpretar. O Ministro do Supremo, Ricardo Lewandowski escreveu num artigo para o Jornal Folha de São Paulo que "intervenção armada é crime inafiançável e imprescritível". 

O recado é: se continuar sugerindo que pode haver intervenção militar, Bolsonaro será preso "seguindo as regras da própria Constituição". Carta na mesa! 

Há anos, desde o "Fora Dilma", eu chamo atenção para as diferenças entre a Constituição antiga e a de 1988. A nova Constituição retirou as possibilidades de se chamar uma intervenção militar, sem sérias consequências.

Um ato muito importante que deixa a situação ainda mais tensa e as manifestações do dia 07 de setembro ainda mais emblemáticas. 

Ou as manifestações contemplam as expectativas de Bolsonaro, (que deve ter alguma carta na manga após dia 07), ou a própria população se sentirá desestimulada, porque a repressão virá forte contra os organizadores e contra o Presidente.

Um jogo difícil, repleto de blefes e cada lado já apresentou as armas que têm:

A oposição têm parte mais jovem da população, a mídia, o judiciário e o legislativo.

O Presidente têm as Forças Armadas e as polícias (que já declararam fidelidade ao exército, em caso de convulsão popular), e tem o povo, em sua ampla maioria empresários, trabalhadores e aposentados, dispostos a enfrentar a repressão depois de adultos. 

A oposição não estará assistindo pela TV, eles também estarão nas ruas se manifestando contra tudo o que você representa, tua vertente política, teu presidente, tua família, tua religião, tua conduta diante das situações da vida. Tudo isso incomoda os planos deles, o alvo é VOCÊ! 

Eles não precisam de manifestações para derrubar o Presidente, afinal, eles tem a ajuda do Supremo para isso, as consequências eles superam depois. 

O problema é que essa massa de gente articulada continuaria votando na vertente da direita, mesmo com a queda de Jair Bolsonaro, portanto não se engane, Jair é apenas a linha de frente, mas o alvo é neutralizar VOCÊ e o teu poder de articular com pessoas e mostrar o que realmente aconteceu neste pedaço da história. 

Derrubar o Presidente não é o principal problema da oposição, o problema maior é o que fazer com essa massa crítica que continuará NÃO VOTANDO na centro-esquerda. 

O alvo começa a se movimentar em nossa direção.


Compartilhe

Últimas Postagens