Cookies management by TermsFeed Cookie Consent

Brasil declara fim dos testes em animais para vacinas veterinárias e testes repetitivos e cruéis em coelhos, bois, cavalos camundongos e aves.

O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) oficializou novo regulamento que permite isentar as empresas da realização de dois testes em animais considerados obsoletos e cientificamente desnecessários,

Brasil declara fim dos testes em animais para vacinas veterinárias e testes repetitivos e cruéis em coelhos, bois, cavalos camundongos e aves. Foto: Divulgação / Redes sociais

Brasil declara fim dos testes em animais para vacinas veterinárias e testes repetitivos e cruéis em coelhos, bois, cavalos camundongos e aves.

Ciência e Tecnologia Por: Maria Eduarda - 13/04/2022

O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) oficializou novo regulamento que permite isentar as empresas da realização de dois testes em animais considerados obsoletos e cientificamente desnecessários, usados no controle de qualidade de produtos biológicos veterinários, como vacinas. "MILHÕES DE TONELADAS de vidas de bois, cavalos, coelhos e aves serão poupados. Agora é desnecessário seu uso para a garantia da segurança biológica de dois testes. Essa notícia permite nortear novos avanços em grande escala na proteção dos animais e da própria sociedade brasileira naquilo que realmente seja seguro", comemorou Carolina Mourão, presidente da Confederação Brasileira de Proteção Animal.Os testes em animais impactados pela nova regulamentação brasileira são conhecidos como teste de inocuidade, em inglês TABST e LABST (Target and Laboratory Animal Batch Safety Tests), e foram desenvolvidos há quase um século." É uma conquista de século esse reconhecimento, após uma ampla revisão científica que atualiza o Brasil com grandes economias mundiais, seguindo o mesmo padrão de dispensa desses testes. Já podemos comemorar. Esse é um resultado de um trabalho minucioso e resiliente que remonta um longo caminho de articulações".Antoniana Ottoni, especialista em assuntos federais da Humane Society International no Brasil, disse: “Esta mudança regulatória é bem-vinda e um verdadeiro caso de ganho mútuo – poupando animais de sofrimento desnecessário e morte, reduzindo custos e burocracia para empresas e autoridades, garantindo um alto padrão qualidade e segurança de medicamentos veterinários no Brasil. Somos gratos aos colegas do Ministério da Agricultura por sua colaboração e disposição em romper com uma tradição centenária em favor do alinhamento com o crescente consenso científico e regulatório internacional”.A Confederação Brasileira de Proteção Animal @cbpaoficial parabeniza o Governo Federal nesse entendimento", reiterou Carolina.

Compartilhe