Consumo de livros no primeiro semestre cresce em 48,5%

Pesquisa foi realizada pelo Sindicato Nacional dos Editores de Livros.

Consumo de livros no primeiro semestre cresce em 48,5% Foto: Fernando Frazão/ Agência Brasil

Consumo de livros no primeiro semestre cresce em 48,5%

Economia Por: Natalie Gallacci - 12/08/2021

O primeiro semestre de 2021 foi finalizado com a venda de 28 milhões de exemplares, ocasionando em um aumento de 18,5% em comparação 18,9 milhões vendidos na mesma época de 2020. No quesito de valor, o faturamento atingiu R$ 1,19 bilhão, em torno de 39,9% a mais que os R$ 846,2 milhões no faturado até junho de 2020. valor médio na época recuou 5,78% passando de R$ 44,86 para R$ 42,26.

Foi divulgado nesta quarta-feira (11/08) o Painel do Varejo de Livros no Brasil, pelo Sindicato Nacional dos Editores de Livros (Snel), com base no estudo realizado pela Nielsen BookScan. Segundo Marcos da Veiga Pereira, presidente do Snel, o aumento registrado representa duas situações diferentes do mercado, apontando em 2021, para uma categoria livreira mais garantida, contra um mercado afetado duramente pela pandemia, em 2020, com as normas de isolamento social determinadas pelas autoridades sanitárias para evitar o contágio do vírus da COVID-19.

De acordo com o presidente do Snel, “São situações muito diferentes, isso cria uma base de comparação muito desfavorável”. Para Pereira, o mais relevante é olhar o que está havendo em 2021, tendo em vista que comparado com 2020 é triste, por conta da Pandemia, ele crê que daqui em diante vão começar a observar dados que mostrarão quando “começou a virar a curva e experimentar o crescimento”.

Com início em setembro de 2020, o crescimento da compra de livros vem apresentando respostas positivas, resultado de ofertas de bons lançamentos, ações promocionais e o estreitamento do relacionamento com os leitores nas redes sociais, “com a pandemia, a gente teve uma oportunidade que foi a redescoberta da leitura e essa redescoberta foi possibilitada pelo atendimento, principalmente naquele primeiro momento, do varejo online”.

A comparação entre o sétimo período de 2021 (21 de junho a 18 de julho) e o período anterior (24 de maio a 20 de junho), mostra um aumento no mercado livreiro nacional de 26% das vendas em volume e 23,7% em valor. “Essa é uma ótima notícia! O movimento de leitura continua fortalecido. Agora, a gente está vivendo um momento em que tem a reconexão com a leitura, tem a reabertura das livrarias. Então, a gente tem uma responsabilidade como indústria de manter a leitura em alta. Essa é a minha preocupação permanente”, completou o presidente.

Pereira alega que por bastante tempo o varejo foi parado. A pandemia causou mais atividade na área livreira, no quesito de conhecer melhor os consumidores e procurar os leitores. Ele acredita ser difícil o mercado continuar aumentando em dois dígitos, pois vai ter uma base de comparação cada vez mais forte. Entretanto, arriscou que comparando 2021 com 2020, a área finalizará o ano com mais de 20% de aumento.


Compartilhe