Cookies management by TermsFeed Cookie Consent

Presidente Jair Bolsonaro diz que novas demarcações podem inviabilizar agronegócio

Segundo ele, caso o STF permite o reconhecimento de novas áreas de ocupação indígena tradicional após 1988, a decisão “simplesmente enterra o Brasil”. 

Presidente Jair Bolsonaro diz que novas demarcações podem inviabilizar agronegócio Foto: Alan Santos / PR

Presidente Jair Bolsonaro diz que novas demarcações podem inviabilizar agronegócio

Economia Por: Alexandre Branco - 15/12/2021

O presidente da República, Jair Bolsonaro, disse nesta quarta-feita (15) que o resultado do julgamento no Supremo Tribunal Federal (STF) do marco temporal para demarcações de terras indígenas pode inviabilizar o agronegócio no País. Segundo ele, caso o STF permite o reconhecimento de novas áreas de ocupação indígena tradicional após 1988, a decisão “simplesmente enterra o Brasil”.

“Nós sabemos que, se perdermos, eu vou ter que tomar uma decisão. Porque eu entendo que esse novo marco temporal simplesmente enterra o Brasil. Tem coisas que são óbvias, e a gente não consegue entender porque certas pessoas agem de maneira contra sua pátria, são coisas inacreditáveis ​​”, disse o presidente no evento Moderniza Brasil Ambiente de Negócios, organizado pelo governo federal e realizado na sede Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp).

O STF retomou no final de agosto o julgamento do marco temporal para demarcações de terras indígenas. A Corte julga o processo sobre a disputa pela posse da Terra Indígena Ibirama, em Santa Catarina. A área é habitada pelos povos Xokleng, Kaingang e Guarani. O processo tem uma chamada repercussão geral. Isso significa que a decisão que para a tomada servirá de baliza para outros casos semelhantes que mais decididos em todo o Judiciário.

Os ministros do STF votam se os indígenas somente foram direito às terras que estavam em sua posse no dia 5 de outubro de 1988, data da promulgação da Constituição Federal. O resultado está em 1 a 1: o ministro Nunes Marques votou a favor da tese. Já o ministro Edson Fachin se manifestou contra o marco temporal. Em setembro, o ministro Alexandre de Moraes fez um pedido de vista sobre a ação e não há prazo para retomada do julgamento

(Agência Brasil)


Compartilhe