Cookies management by TermsFeed Cookie Consent

Acumulado do ano de 2021 apresenta número histórico de novas vagas de emprego

Com os dados do mês de dezembro do Novo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Novo Caged), o ano de 2021 encerra com saldo positivo e histórico de 2.730.597 milhões de novas vagas de emprego.

Acumulado do ano de 2021 apresenta número histórico de novas vagas de emprego Foto: Ministério do Trabalho

Acumulado do ano de 2021 apresenta número histórico de novas vagas de emprego

Economia Por: Alexandre Branco - 31/01/2022

Com os dados do mês de dezembro do Novo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Novo Caged), o ano de 2021 encerra com saldo positivo e histórico de 2.730.597 milhões de novas vagas de emprego. Desde o início do governo Jair Bolsonaro, de janeiro de 2019 a dezembro de 2021, já são 3.183.221 milhões de vagas com carteira assinada. Os números foram divulgados, nesta segunda-feira (31), pelo Ministério do Trabalho e Previdência.

O ministro do Trabalho e Previdência, Onyx Lorenzoni, destacou o trabalho realizado pelo Governo Federal na manutenção de empregos e na melhoria do ambiente de negócios no país, o que contribuiu significativamente na geração de novos postos formais de trabalho.

“Programas como o BEm foram fundamentais para salvar milhões de empregos”, destacou. “Além disso, cuidamos da saúde sem descuidar da economia, como já determinava o presidente Jair Bolsonaro”, recordou. “O resultado é um saldo positivo de quase três milhões de empregos no ano”, acrescentou.

O ministro também comparou a forma como o governo do presidente Jair Bolsonaro lida com a economia e a forma desastrosa como o governo petista geria o tema. “Nos anos de 2015 e 2016, o PT exterminou 2,8 milhões de empregos. Hoje, mesmo com pandemia, geramos 2,7 milhões de empregos com carteira assinada apensa em 2021. Naquele tempo, o vírus que assolava o país era o PT13, com sua variante ‘nova matriz econômica’, praticado por aquela senhora que estocava vento”, enfatizou Onyx.

Setores

No ano de 2021, o grande destaque foi o setor de serviços, com saldo positivo de 1.226.026 novos postos de trabalho formais, distribuídos principalmente no grupamento Informação, comunicação e atividades financeiras, imobiliárias, profissionais e administrativas que apresentou saldo positivo de (663.808), no grupamento administração pública, defesa e seguridade social, educação, saúde humana e serviços sociais (216.516) e no de alojamento e alimentação (158.970).

Na sequência, aparece o setor de comércio, com geração de 643.754 novos postos de trabalho formais em 2021, com destaque para supermercados (43.128), comércio de produtos farmacêuticos (36.257) e minimercados, mercearias e armazéns (29.312).

O setor do comércio também foi o grande destaque do mês de dezembro, com a geração de mais de 9.013 mil novos postos de trabalho formais, distribuídos principalmente nas atividades de comércio de artigos de vestuário e acessórios (8.380) supermercados (4.579) e comércio de combustíveis (1.802)

Regiões

No acumulado do ano de 2021, todas as unidades da federação registraram saldos positivos, as campeãs foram São Paulo (814.035), Minas Gerais (305.182) e Rio de Janeiro (178.098). Já em dezembro de 2021, os destaques foram para Alagoas (615 postos gerados) e Paraíba (61).

Todos os anos historicamente o mês de dezembro possui muitos desligamentos, tendo em 2021 o saldo ficado em - 265.811 postos de trabalho.

“Como mostramos hoje, o resultado negativo para o mês é esperado e tem ocorrido em todos os anos. O que explica é o fato das empresas poderem enviar os eventos até o dia 15 do mês seguinte, no caso janeiro. Assim, os desligamentos após as festividades de fim de ano, se refletem nas estatísticas. Tal sazonalidade não invalida a trajetória de recuperação do emprego formal percebida em 2021”, explica Luís Felipe Batista de Oliveira.


Compartilhe