Cookies management by TermsFeed Cookie Consent

Preocupados, oposição, governadores e prefeitos tentam barrar aumento concedido por Jair Bolsonaro no piso dos professores

Segundo o portal G1, governadores e prefeitos estavam negociando com o Ministério da Economia e Educação um aumento do mínimo permitido por lei que é 7,5%.

Preocupados, oposição, governadores e prefeitos tentam barrar aumento concedido por Jair Bolsonaro no piso dos professores Foto: Reprodução

Preocupados, oposição, governadores e prefeitos tentam barrar aumento concedido por Jair Bolsonaro no piso dos professores

Educação Por: Alexandre Branco - 01/02/2022

Na última quinta-feira (27) o presidente Jair Bolsonaro surpreendeu a todos ao anunciar o reajuste de 33,24% no piso salarial dos professores da educação básica. “É com satisfação que anunciamos para os professores da educação básica um reajuste de 33,24% no piso salarial. Esse é o maior aumento já concedido pelo governo federal desde o surgimento da Lei do Piso. Mais de 1,7 milhão de professores, dos estados e municípios, que lecionam a mais de 38 milhões de alunos nas escolas públicas serão beneficiados”, escreveu o presidente.

Segundo o portal G1, governadores e prefeitos estavam negociando com o Ministério da Economia e Educação um aumento do mínimo permitido por lei que é 7,5% mas durante a tradicional Live de Quinta Feira, Bolsonaro afirmou que poderia vetar, ou definir um valor menor mas para atender o pedido de parlamentares da área da educação e das categorias do magistério decidiu juntamente com ministro da Educação Milton Ribeiro surpreender a todos e conceder o reajuste máximo permitido por lei que é de 33,24%.

Com isso o presidente elevou o piso que passa de R$ 2.886,24 para R$ 3.845,63, alta muito maior que os 7,5% esperados por estados e municípios.

Uma parte do valor será paga pelo Governo Federal, mas muitos municípios que já de forma irregular não cumprem a lei do Piso a muitos anos, temem que a publicidade do aumento possa impactar nas suas finanças já que alguns estados e municípios arcam com a maior parte do custo da folha nos salários da educação básica.

Porém, mesmo que limite os investimentos de prefeituras em outras áreas, em contra partida a medida irá trazer mais renda para a população já que em alguns municípios pequenos por exemplo o reajuste na folha de pagamento dos professores pode injetar mais de um milhão na economia local.

Mas, segundo informação de bastidores a medida não tem agradado partidos de esquerda, prefeitos e principalmente alguns governadores que fazem oposição ao presidente, isso porque uma parcela significativa dos mais de 1,7 milhões de professores tem suas posições políticas mais voltados à esquerda e fazem oposição ao presidente Jair Bolsonaro, e um aumento significativo no salário de aproximadamente R$ 1 mil pode impactar significativamente e mudar a percepção deste eleitorado aumentando o apoio dos professores, alunos e da população ao presidente já durante os próximos meses, por isso alguns agentes políticos já estão trabalhando nos bastidores para tentar barrar o aumento, mas tudo em sigilo para não correr o risco de se queimar com seu eleitorado.

Segundo o portal Brado Jornal, a Confederação Nacional de Municípios (CNM) está orientando a todos os prefeitos e governadores a descumprir e ignorar o reajuste do piso concedido pelo presidente Bolsonaro e recomenda que os gestores municipais realizem o reajuste com base no índice inflacionário até que novas informações sejam fornecidas pelo governo federal, a CNM e ainda ameaça judiciarizar a questão num sinal claro para tentar sabotar o piso concedido por Jair Bolsonaro.

(Com informações do G1 e do Brado Jornal)


Compartilhe