Cookie Consent by TermsFeed Generator
{entrevistado}
Thiago Silva
26 de Novembro de 2021

Nossa entrevista de hoje é com uma figura que está se tornando emblemática na nossa política nacional, um fenômeno nas redes sociais, uma vereadora extremamente competente para com o povo de Londrina, no Paraná. Jéssica Ramos Moreno, 28 anos, a famosa “Jessicão a opressora”, vem ganhando admiradores por todo o Brasil, e cada vez mais apoio do chamado público conservador. Homossexual assumida, ela não permitiu que sua opção sexual alterasse o seu caráter e dignidade, e ingressou na política para defender o povo e não pautas de caráter duvidoso que as minorias defendem. Em sua primeira candidatura, Jessicão foi eleita com expressivos 2523 votos, e se tornou a primeira vereadora homossexual a ser eleita na cidade de Londrina. Sua vida não é fácil por conta de seus exemplares posicionamentos, mas mesmo diante de tantas adversidades, ameaças, injurias e calunias, ela não recuou, e se mantém firme e focada para atender todos os anseios do povo Londrinense. Um ícone de perseverança, sem vitimismo, ela acreditou, lutou e venceu, sem precisar do apoio comunista, sem se render a essa doutrina pútrida que destrói e corrompe toda uma sociedade. Jessicão já é um bom exemplo de como deve ser e agir o bom político brasileiro, e acredito que não ficara muito tempo como vereadora, pois o Brasil precisa de pessoas com a sua coragem e determinação em uma esfera mais ampla da sociedade. Londrina precisará compartilhar a sua dádiva com o povo Brasileiro muito em breve.

Quem é Jéssica Ramos Moreno, a famosa “Jessicão, a Opressora”?

Jessicão nasceu em Londrina em 3 de fevereiro de 1993. É presidente do Movimento Direita Paraná e líder do Movimento Direita Londrina. Integrou a organização de manifestações em Londrina após o impeachment da presidenta Dilma Rousseff (PT). Conheceu Jair Messias Bolsonaro e Eduardo Bolsonaro em 2016. Devido aos seus princípios e a forma que se posicionava, recebeu carinhosamente o apelido de “opressora”, uma brincadeira relacionada ao “Gabinete opressor”. Na eleição de 2020, a primeira que disputou, foi eleita vereadora pelo Partido Progressista (PP), com 2.523 votos, sendo a única candidata de Londrina diretamente apoiada pelo Presidente Bolsonaro. Jessicão é a 1º Homossexual eleita na câmara de Londrina. Fiel as bandeiras da direita, suas ações e pautas seguem a linha conservadora do Governo Bolsonaro. Sua principal bandeira é a luta contra a agenda LGBT, visando a desconstrução da narrativa usada pelo ativismo em torno do Gênero e a insistente tentativa da esquerda em desconstruir a identidade do indivíduo a partir das crianças.

Como começou o seu interesse na carreira política?

Meu interesse na política começou quando percebi que algo de errado estava acontecendo e afetando diretamente a vida e a inocência das crianças nas escolas. Quando surgiu ações provenientes da ideologia de gênero, movimentos feministas, doutrinação esquerdistas e comunistas por parte de professor e palestrantes. Isso me incomodou, comecei a participar de manifestações de rua e a partir disto entrei na política de cabeça. Percebi que o ditado popular “Política e religião não se discute” está completamente errado, SE DISCUTE SIM!!!

Como está sendo a experiência no seu mandato como vereadora em Londrina, Paraná?

Há muito pelo que lutar, enquanto vereadora, e inúmeras barreiras para obter sucesso. Pautas ideológicas e morais incomodam aqueles da “velha política”, tiram da zona de conforto, constrange. Muitos não querem debater ou mesmo, muitos, querem comprar o papel do vitimista, ficando do lado mais fácil. Não fui eleita pra agradar, não fui eleita para me acomodar, não fui eleita pra fazer papel bonito e politicamente correto. Eu fui eleita para lutar pelo que é certo, em defesa dos londrinenses de bem, para resgatar os valores morais dessa cidade e fazer com que os londrinenses se orgulham disso. Tenho conseguido avançar as pautas ideológicas, com apoio dos municípios, travando discussões e barrando o que não é certo na cidade de Londrina, sem deixar de lado as demandas locais e a fiscalização do executivo. Meu trabalho tem sido completo!

Algo muito raro em nossa sociedade, como você explica sua conduta de ser homossexual e ser contra a esquerda e a militância LGBT?

Fui criada pelos meus pais com uma educação baseada no respeito, cresci aprendendo a ser uma pessoa respeitosa e a respeitar as pessoas a minha volta. Aprendi desde cedo, que se quisesse ter uma vida melhor, deveria correr atrás, estudar, me dedicar, trabalhar e conquistar o que eu desejasse por meio de esforço próprio. Nunca me vi como vítima, nunca me senti parte de uma minoria, sempre me vi como uma pessoa comum que deveria ter uma família, uma casa, um trabalho como qualquer outra pessoa. Eu nunca precisei que ninguém me defendesse, eu aprendi. Quando vi que as pessoas ficam nessa de ‘vítimas da sociedade’, isso começou a me irritar. Muitas pessoas gostam do papel de vítima e a esquerda se apropriou dos coitadinhos.” A esquerda, ao abraçar o chamado “LGBTQ...xyz”, rotulando como minoria, não quer o bem, quer usar politicamente, mantendo-os sempre como minoria e usando esse vitimismo para atacar a sociedade, para destruir a identidade do indivíduo obrigando a aceitação do diferente e impondo que esse diferente é o novo normal, e pior, para destruir a infância das crianças ao bagunçar o psicológico, facilitando a doutrinação dessas gerações para, mais tarde, serem usadas como massa de manobra política. Quando se enxerga essa agenda nefasta e a realidade por trás da narrativa da esquerda, é muito mais fácil ser contra, mesmo que isso custe meu sossego. Sou atacada e ameaçada diariamente por conta de como me posiciono, por não me render ao ativismo LGBT, e isso tem um único motivo: Eu sou o antídoto! Eu quebro a narrativa, eu exponho a verdade, eu destruo esse plano que vem sido construído a tantos anos, minuciosamente. E eu sei, essa é a minha missão.

Qual foi a reação dos seus seguidores nas suas redes sociais ao sair em defesa do atleta Maurício Souza?

Meus seguidores já conhecem meus princípios e posicionamentos, os quais são muito firmes e claros, ficaram orgulhosos e satisfeitos. Recebi inúmeras mensagens de apoio e agradecimentos por sair em defesa do Maurício. São essas pessoas, por acreditarem em mim, que fazem com que meu trabalho seja conhecido, compartilhando meus posicionamentos e divulgando tudo o que faço.

Porque tomou essa atitude?

Faz muito tempo que travei uma briga com a agenda LGBT, que luto contra ideologia de gênero e a destruição da infância. Quando vi a tamanha injustiça que o Maurício estava sofrendo, me senti na obrigação de me manifestar publicamente e de entrar em contato com ele, trocamos mensagens e ofereci meu apoio. É preciso quebrar a narrativa mentirosa que usam para mascarar esse ativismo em torno do gênero: DEFENDER A MORAL E O DIREITO DA PLENA INFÂNCIA NUNCA FOI HOMOFOBIA. Eu, enquanto homossexual que não se rende a perversão da moral e ao ativismo subversivo, sinto que tenho essa missão com meu país, lutar contra a essa militância que visa destruição da infância e da identidade do indivíduo.

Você pretende alçar “voos” maiores dentro da política?

Muitas pessoas me pedem para me candidatar a Deputada Estadual ou Deputada Federal, para continuar atuando e contribuindo, em um alcance maior, na esfera legislativa. Já recebi pedido até para me candidatar a senadora, prefeita... (risos) porém nada se decide do dia pra noite, tudo é uma construção. Estou muito alinhada ao Governo Bolsonaro e se, somente se, eu puder contribuir com o governo, levando meu trabalho ao nível estadual ou federal, com o apoio do Presidente Bolsonaro e da base aliada, assim como foi na minha candidatura a Vereadora, é possível que me candidate a outros cargos. Tudo vai depender da construção, sempre visando o melhor para o Brasil!

Qual a sua opinião sobre o nosso presidente Jair Bolsonaro?

Jair Messias Bolsonaro é um homem íntegro e resiliente! Quando todos achavam que era louco e travava suas batalhas sozinho, permaneceu firme e não desistiu do seu propósito: salvar seu país da destruição moral, da destruição da família e do caos. Desde o momento em que o conheci, sempre fui muito bem tratada, mais que isso, sou tratada com muito carinho e respeito. Já estive com o Bolsonaro, seus filhos, sua esposa, e todos me recebem muito bem. Essa narrativa que Bolsonaro é homofóbico, não passa de politicagem numa tentativa de desmoralizar sua luta. Bolsonaro não é homofóbico, ele luta pela defesa da moral, da família e da infância. Sabendo respeitar esses pilares, qualquer pessoa consegue seu respeito. Eu, particularmente, tenho uma admiração imensa pelo Jair, um carinho indescritível. Sou muito grata por tudo, pela atenção, pela confiança em meu trabalho e pela oportunidade de fazer parte desse resgate dos valores morais no Brasil.

O que você pensa a respeito do relatório final da CPI entregue por Renan Calheiros, acha que pode influenciar em alguma coisa na nossa política?

Essa CPI, apelidada carinhosamente CPI do circo, tinha um único objetivo, destruir a imagem do Presidente Bolsonaro e buscar qualquer meio possível para justificar um impeachment. A oposição sabe que enquanto Bolsonaro estiver elegível, o cidadão de bem, que é a maioria, estará com ele e a má política (esquerda, corrupção, negociatas) não terá vez. Quanto mais tentam, nessa tentativa desesperada de tirar Bolsonaro da presidência, com armadilhas escancaradas rasgando a Constituição Federal em inúmeras situações, seja no legislativo ou no judiciário, mais alerta o brasileiro fica mais informado e o apoio ao Bolsonaro só cresce. O tempo da manipulação e da desinformação passou... O brasileiro está acompanhando a política e os bastidores da política cada vez mais. Além dos já conhecidos, inúmeros movimentos de apoio ao governo estão surgindo e estão levando informações para todos. A prova disso são as manifestações que ocorreram no Brasil todo no dia 07 de setembro. NESSE DIA O BRASIL MANDOU UM RECADO!!!

De Londrina para o mundo, qual a mensagem que você deixa para os seus aliados, seguidores e admiradores?

Não se rendam ao politicamente correto. Vão te criticar por defender a família, vão te criticar por defender as crianças, vão te criticar por ser um cidadão patriota, vão te criticar por acreditar em Deus... Sigam firmes, sabemos que não é fácil, mas essa briga é justa e precisamos agir!!! Nossa luta é para garantir que as futuras gerações não sejam submissas a uma ditadura das chamadas “minorias”. Não é fácil, não é cômodo, mas precisamos lutar pelo mais valioso direito que um ser humano pode ter: A LIBERDADE!


Compartilhe