Morre Fio Ribeiro, aos 82 anos, ex-vereador, advogado e jornalista de Porangaba

Faleceu na manhã desta segunda-feira (21/06), o ex-vereador, advogado e jornalista João José Ribeiro (Fio Ribeiro), aos 82 anos, vítima de câncer.

Morre Fio Ribeiro, aos 82 anos, ex-vereador, advogado e jornalista de Porangaba Foto: Divulgação

Morre Fio Ribeiro, aos 82 anos, ex-vereador, advogado e jornalista de Porangaba

Geral Por: Alexandre Branco - 21/06/2021

Faleceu na manhã desta segunda-feira (21/06), o ex-vereador, advogado e jornalista João José Ribeiro (Fio Ribeiro), aos 82 anos, vítima de câncer. Fio Ribeiro nasceu no dia 30 de maio de 1939. Foi professor e lecionou em Porangaba e no antigo distrito de Torre de Pedra.

Em 1960, com 21 anos, Fio foi eleito vereador de Porangaba, se tornando um dos mais jovens legisladores do município.

Ainda jovem, desenvolveu o talento musical e era multi-instrumentista. Tocava violão, teclado e trompete. Como trompetista, tocou na Banda Santa Cecília de Porangaba, onde ganhou o tricampeonato de Bandas do Estado de São Paulo, em 1966.

Também nos anos 60, Fio Ribeiro se tornou radialista e trabalhou na Rádio Cacique de Sorocaba como repórter de campo, fazendo a cobertura do Campeonato Paulista.

Nessa época, Fio conheceu e fez amizade com um dos maiores locutores esportivos do Brasil, o saudoso radialista Fiori Gogliotti. A afinidade surgiu diante do fato de ambos serem palmeirenses.

Pegando gosto pela comunicação, Fio também trabalhou como jornalista. Escreveu por mais de 15 anos para o jornal Folha de São Paulo. Também escreveu por 32 anos para o jornal Diário de Sorocaba.

Fio insistiu na carreira política e foi vereador durante 21 anos, sendo que em 13 não recebeu nenhum subsídio. Ele também foi presidente da Casa e durante várias legislaturas fez parte da mesa diretora e comissões da Câmara.

Fio também se orgulhava de ter conquistado para Porangaba as divisas da arrecadação do pedágio no km 159 da Castelo Branco, que antes era reconhecido como sediado no município de Quadra, e por sua insistência, reconheceu nos órgãos estaduais que fora construído em terras porangabenses, e assim aumentando significativamente os recursos públicos para a cidade até os dias de hoje.

Como advogado, realizou o primeiro Tribunal do Júri de Porangaba, junto com o advogado de Guareí, Lourenço Vieira da Costa, no ano de 1996. Fio Ribeiro foi uma das autoridades, à época, que mais batalhou para que Porangaba se tornasse uma Comarca.

Em 1999, Fio se tornou âncora do Jornal do Meio-dia, na extinta Porangaba FM. Foi o pioneiro da cidade em utilizar os meios de comunicação para batalhar em benefício da população, reivindicando direitos e melhorias à cidade de Porangaba. Fio também criou o termo Cidade Sinfonia, o qual Porangaba leva até hoje diante de seu destaque musical no passado.

Nos intervalos musicais, Fio Ribeiro adorava executar canções de Altemar Dutra, Jessé, Roberto Carlos, músicas de Serestas e os seus favoritos boleros de Luis Miguel, em homenagem aos aniversariantes do dia.

Ainda na Porangaba FM, aos sábados, Fio Ribeiro apresentava o programa Sala de Visitas, onde os convidados contavam suas histórias e falavam sobre sua vida em nossa cidade.

Fio Ribeiro partiu e deixou sua grande paixão, a esposa Maria, os filhos Alessandra, Vanessa e Wendell; os netos Raphael, Liz Mariah, Isadora, e Pedro; o genro Rogério e a nora Lanna.

O corpo de Fio Ribeiro foi sepultado na tarde desta segunda-feira, o cemitério de Porangaba. Diante da comoção popular de seu falecimento, a família decidiu não realizar o velório para não gerar aglomerações.

(Colaboração de Wendell Klauss Ribeiro)


Compartilhe