Presidente Jair Bolsonaro pede para as pessoas pouparem energia

Brasil necessitará de produção extra de energia nos próximos meses.

Presidente Jair Bolsonaro pede para as pessoas pouparem energia Foto: Reprodução Youtube /Jair Bolsonaro

Presidente Jair Bolsonaro pede para as pessoas pouparem energia

Geral Por: Natalie Gallacci - 27/08/2021

Jair Bolsonaro retornou a solicitar que as pessoas poupem energia elétrica nesse momento de piora da condição das usinas hidrelétricas em consequência da seca. No decorrer da sua live semanal, realizada nas redes sociais, na noite desta quinta-feira (26/08), o presidente rotulou a crise atual energética como "problema sério".

"O problema é sério. Eu vou tentar fazer um apelo a você que está em casa agora. Eu tenho certeza que você pode apagar um ponto de luz agora. Eu peço esse favor pra você. Assim você vai ajudar a economizar energia e a economizar água das hidrelétricas ", Bolsonaro.

A quantidade chuvas inferior do previsto nos últimos meses, inclusive na comparação de 2020, deixou os reservatórios das hidrelétricas da área Centro-Sul do Brasil em situações críticas. "Em grande parte, nessas represas, já estamos na casa de 10%, 15% de armazenamento. Estamos no limite do limite. Algumas vão deixar de funcionar se essa crise hidrológica continuar existindo", completou o presidente. Nesta terça-feira (24/08), o Comitê de Monitoramento do Setor Elétrico (CMSE), administrado pelo Ministério de Minas e Energia, já anunciado levantado em relação ao agravamento das condições hídricas no Brasil.

Foi comunicado pelo Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) nesta quinta-feira (26/08), que será necessário assegurar uma produção extra de energia, a começar em outubro, para auxiliar à demanda que não conseguirá ser fornecido pelas usinas hidrelétricas. A associação atualizou uma nota técnica de fiscalização das situações da área elétrica até novembro determinou que a quantidade essencial de energia será de 5,5 gigawatts médio (GWm) entre setembro e novembro. A nota ressalta que os reservatórios das usinas se encontram com as piores correntes de água em 91 anos.

No meio das orientações do ONS para atender essa necessidade encontram-se: a postergação das revisões organizadas em usinas termoelétricas, para impossibilitar que elas necessitem ser desligadas; a importação de energia da Argentina e do Uruguai; a garantia da da disponibilidade operativa das térmicas merchant; solução para questões judiciais relacionadas às disponibilidades da oferta de cinco usinas termoelétricas (Goiania II, Campina Grande, Maracanaú, Palmeira de Goiás e Pernambuco III); a recomposição da capacidade de geração impactada pela manutenção da Rota 1 no mês de setembro, entre outros.

O ONS recomendou também, que a começar em setembro, precisam ser acrescentados novos recursos energéticos ao Sistema Interligado Nacional (SIN). para que isso ocorra, segundo a organização, vai ser preciso lançar mão de geração adicional originário das usinas térmicas sem Custo Variável Unitário (CVU), prosseguir com o Programa de Resposta Voluntária da Demanda, e realizar ações de estímulo para que as pessoas diminuam de maneira espontânea o consumo, além de aderir novas flexibilizações dos níveis mínimos nos reservatórios das hidrelétricas de Ilha Solteira e Três Irmãos, até a cota de 323 metros.

Além disso, recomendaram permitir o uso da flexibilização das medidas de segurança de N-2 para N-1, como meio de atendimento energético e de eficiência, aderindo novas limitações temporárias de defluência na hidrelétrica de Itaipu, e nas usinas de São Francisco, conseguindo integrar mais recursos às disponibilidades de potência.


Compartilhe