Depois de aproximadamente 20 anos, últimos soldados dos EUA se retiram do Afeganistão

Com o início em 14 de agosto, mais de 122 mil pessoas saíram de Cabul.

Depois de aproximadamente 20 anos, últimos soldados dos EUA se retiram do Afeganistão Foto: BETHANN CAPORALETTI/USAF

Depois de aproximadamente 20 anos, últimos soldados dos EUA se retiram do Afeganistão

Geral Por: Natalie Gallacci - 30/08/2021

Foi comunicado nesta segunda-feira (30/08) pelos Estados Unidos que foi finalizado a retirada de suas cortinas do Afeganistão depois de uma missão de remoção aérea, após 20 anos do país em retorno aos atentados de 11 de setembro, em 2001.

Com o início em 14 de agosto, mais de 122 mil pessoas saíram de Cabul, um dia antes do Talibã (que no ano de 2001 acolhia a organização militante Al Qaeda, que foi culpado pelos atentados de Nova York e Washington) tomar o comando do país. Ross Wilson, o principal diplomata dos Estados Unidos no Afeganistão, comparecia no último voo de um aeronave C-17 dos EUA, ex-chefe do Comando Central dos EUA, General Frank McKenzie, em uma coletiva de imprensa do Pentágono.

A saída aérea de emergencial acabou antes do prazo final, que é nesta terça-feira (31/08) determinado por Joe Biden, presidente dos Estado Unidos, que concluiu o acordo de evacuação das tropas realizadas com o Talibã, feito por seu antecessor, Donald Trump.

Os EUA e seus aliados ocidentais batalharam para socorrer como pessoas de seus países, tal como ativistas de direitos civis, funcionários de embaixadas locais, jornalistas, afegãos sujeitos a retaliação do Talibã. As pesquisas ficadam ainda mais em risco no momento que ocorreu um ataque suicida, proposto pelo Estado Islâmico (rival do Talibã e do Ocidente), onde deixou 13 militares norte-americanos mortos e mais de 100 afegãos estavam que estavam nos portões do aeroporto na quinta- feira passada (26/08).

O presidente dos Estados Unidos que vem enfrentando muitas críticas no país e no exterior devido às medidas referentes ao Afeganistão, garantiu procurar os culpados, depois do atentado no aeroporto de Cabul.


Compartilhe