Ministro Barroso sobre voto impresso auditável: “Esse defunto foi enterrado”

Declaração é dada após cerimônia de abertura dos códigos-fonte das urnas eleitorais.

Ministro Barroso sobre voto impresso auditável: “Esse defunto foi enterrado” Foto: TSE

Ministro Barroso sobre voto impresso auditável: “Esse defunto foi enterrado”

Geral Por: Thiago Silva - 05/10/2021

Na tarde desta segunda feira (4), o ministro Luis Roberto Barroso, presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), deu uma declaração polêmica após cerimônia de abertura dos códigos-fonte das urnas eleitorais. O mesmo afirmou a respeito do voto impresso auditável: “Acho que, finalmente, esse defunto foi enterrado”.

A declaração não foi bem aceita pelos apoiadores da pauta, e aliados do presidente.

O ministro recebeu no TSE, 22 partidos para a realização da cerimônia que contava ainda com a apresentação de outros programas para as eleições, a corte decidiu realizar a medida como uma de suas políticas para a transparência eleitoral, isso um ano antes da data normalmente selecionada para o evento.

No evento, Barroso disse que os partidos sempre foram convidados a participar, mas que raramente se faziam presentes por confiar nas urnas. O ministro ainda comentou ter ficado feliz com um elogio do presidente Bolsonaro sobre a presença de um militar na Comissão de Transparência Eleitoral.

“Tradicionalmente, os partidos políticos eram convocados a participar desse processo, a fiscalizar o desenvolvimento do programa. Na prática, eles confiavam tanto no sistema que simplesmente, não compareciam. Portanto, tivemos a preocupação tentar mudar esse comportamento e fazer os partidos participarem do processo, para terem certeza da sua transparência, segurança e idoneidade”.

“Fico extremamente feliz que ele (Bolsonaro), tenha se convencido de que não tem problema no voto eletrônico. Ninguém é melhor nem pior do que ninguém. A presença das forças armadas é importante. Há um contrato e é um setor representativo da sociedade. Tem os olhos de toda sociedade”, pontuou o ministro.


Compartilhe