Zé Trovão se entrega a justiça

Foragido ha dois meses, o caminhoneiro retornou ao Brasil e se entregou na terça-feira (26).

Zé Trovão se entrega a justiça Foto: Concedido por PN

Zé Trovão se entrega a justiça

Geral Por: Thiago Silva - 27/10/2021

Depois de permanecer dois meses no México, na tentativa de fugir da ordem de prisão expedida pelo ministro do STF, Alexandre de Moraes, o caminhoneiro Marcos Antonio Pereira Gomes, vulgo Zé Trovão, voltou ao Brasil e se entregou voluntariamente para a Polícia Federal nesta terça-feira (26),na cidade de Joinville SC, onde estava escondido na casa de parentes desde o ultimo final de semana.

Zé Trovão ficou conhecido nacionalmente por estar a frente das manifestações de caminhoneiros pró-Bolsonaro principalmente no dia 7 de setembro. Ele teve a prisão decreta por Moraes no inicio de setembro e segundo o STF, ele é investigado por supostamente integrar um grupo digital que incita a violência contra as instituições democráticas.

Em vídeo divulgado nas redes sociais, o caminhoneiro afirmou que se entregou à Justiça “pelo Brasil”.

“Nesse 26 de outubro, eu me entreguei à Justiça brasileira, me apresentei à Justiça brasileira, porque, como diz o nosso hino, “verás que um filho teu não foge à luta”. E eu jamais iria abandonar o povo brasileiro”, diz.

O caminhoneiro também agradeceu pelo apoio que recebeu nas redes sociais.

“Eu vim dizer muito obrigado. Não sei quanto tempo eu vou passar no cárcere, mas saibam que tudo isso é pelo Brasil, por cada ser humano, cidadão de bem. Fiquem com Deus e não desanimem”, encerrou.

Retorno ao Brasil

Segundo fontes que acompanhavam o militante, Zé Trovão teria saído do México na semana passada com destino ao Peru. Ele não chegou a ser preso nem no México, nem no Peru porque seu nome não havia sido incluído na lista de Difusão Vermelha da Interpol. O caminhoneiro teria chegado ao Brasil neste último fim de semana e ficado escondido na casa de familiares até se entregar na terça-feira (26).

Zé Trovão se apresentou às autoridades após ser aconselhado por seus advogados. Agora, a defesa irá pedir a conversão da prisão preventiva para medidas cautelares, como a prisão domiciliar com o uso de tornozeleira eletrônica – medida aplicada a alguns dos investigados no mesmo inquérito.


Compartilhe