Cookie Consent by TermsFeed Generator

“Muito humilde”: Wagner Moura come quentinha de camarão em acampamento do MTST.

Publicação feita por Boulos teve uma chuva de criticas nas redes sociais.

“Muito humilde”: Wagner Moura come quentinha de camarão em acampamento do MTST. Foto: Reprodução redes sociais

“Muito humilde”: Wagner Moura come quentinha de camarão em acampamento do MTST.

Geral Por: Thiago Silva - 14/11/2021

Na noite de sexta-feira (12), o pré-candidato a governador de São Paulo, Guilherme Boulos (PSOL), fez uma publicação em suas redes sociais que teve uma repercussão massiva e também negativa. Na foto postada por ele, é possível ver o ator Wagner Moura comendo uma “quentinha” com camarão.

A foto foi tirada durante um evento realizado no acampamento do MTST localizado na zona leste de São Paulo, onde Moura participou da exibição do filme “Marighella”, do qual é diretor. O filme relata a vida do terrorista de esquerda, Carlos Marighella, que realizou diversos ataques à bomba e assaltos a banco na época do governo militar brasileiro.

“Wagner Moura comendo uma quentinha na ocupação do MTST onde fizemos ontem a exibição popular de Marighella. Foi potente! Viva a luta do povo!”, escreveu Boulos no Twitter ao compartilhar a imagem.

Em pouco tempo a foto viralizou com uma chuva de críticas. Críticos das pautas progressistas apontaram hipocrisia de conter camarão, uma iguaria não muito acessível a todos os brasileiros, na quentinha servida na ocupação.

“Agora tem o MTST raiz e o MTST nutela. Ou será que já é o comunismo purinho, onde a elite do partido come camarão e o restante se vira e passa fome igual à exemplar Venezuela?”, escreveu o deputado federal Eduardo Bolsonaro.

“Quem é o “socialista” de Iphone perto do “sem teto” que come camarão…”, publicou o vereador de Belo Horizonte Nikolas Ferreira.

“Wagner Moura acabou de atualizar o termo “esquerda caviar” para “esquerda camarão”, ironizou o jornalista Kim Paim.

A repercussão levou a palavra “camarão” aos assuntos mais comentados no Twitter. Na manhã de sábado (13), a palavra já havia sido mencionada cerca de 32 mil vezes.


Compartilhe