Ave migratória incomum na região é registrada em Sorocaba

Os integrante do Clube de Observadores de Aves de Sorocaba (Coaves), o metalúrgico Valderlei Galdino da Silva, morador do Jardim São Conrado, teve uma grata surpresa, na última quarta-feira (23).

Ave migratória incomum na região é registrada em Sorocaba Foto: Valderlei Galdino da Silva / Coaves

Ave migratória incomum na região é registrada em Sorocaba

Geral Por: Alexandre Branco - 27/06/2021

Os integrante do Clube de Observadores de Aves de Sorocaba (Coaves), o metalúrgico Valderlei Galdino da Silva, morador do Jardim São Conrado, teve uma grata surpresa, na última quarta-feira (23), enquanto praticava atividade física no Parque Porto das Águas, localizado próximo ao Parque das Águas, no Jardim Abaeté. Um exemplar de Talha-mar (Rynchops niger), uma ave migratória vista pela última vez em Sorocaba, em 2006, foi avistada e fotografada por ele, sobrevoando o espaço.

“Você não faz ideia da minha alegria de ver esse bicho lá. Sou apaixonado pela observação de aves e sou fotógrafo de aves. Sempre estou no parque para fazer caminhada e corrida e, nesta semana, por sorte, acabei vendo ele. Mas só ficou um dia, voltei lá nos outros dois dias e não avistei mais. Foi uma alegria muito grande ver ele aqui em Sorocaba. Um achado”, comentou Valderlei.

O fotógrafo já registrou uma de suas imagens no Wikiaves, um site de conteúdo interativo, direcionado à comunidade brasileira de observadores de aves e o mais acessado do mundo nessa área. Considerada uma importante base de dados para pesquisas científicas, o único registro que havia nas proximidades de Sorocaba é de 2013, na cidade de Salto.

Para o biólogo e professor, Mestre Márcio de Camargo Rosa, também integrante do Coaves, esse registro de Valderlei foi bem importante. “O último registro que tínhamos era de 2006, que está no livro ‘Observando aves nas áreas verdes de Sorocaba e região’, do Luciano Regalado. Curiosamente é a única espécie que estava com um asterisco e indicava: observação pessoal do André Guilherme no rio Sorocaba, em 24/10/2006”, conta. “Esse registro enfatiza a importância da ciência-cidadã para os registros de espécies tanto de aves, como de outros seres vivos interessantes”, completa.

Sobre a espécie

Conhecido também como corta-água, talha-mar-preto, corta-mar, bico-rasteiro, gaivota-de-bico-tesoura e paaguaçu, o talha-mar habita tanto a orla marítima, quanto águas interiores, como rios, represas, lagos e lagoas. Ocorre desde os Estados Unidos até a Terra do Fogo, na Argentina.

A espécie mede cerca de 50 centímetros de comprimento e pesa entre 232 e 374 gramas. Vive cerca de 20 anos. Uma de suas peculiaridades é que a sua mandíbula é maior que a maxila, que auxilia na sua alimentação, formada por pequenos peixes e crustáceos.

No mundo, só tem existem três espécies de talha-mar: Rynchops niger, que é o que apareceu em Sorocaba e ocorre no continente americano; Rynchops flavirostris, do continente africano; e Rynchops albicollis, do continente asiático, ocorrendo principalmente na Índia.

Sorocaba tem registro de 310 diferentes tipos de aves

Um levantamento feito por pesquisadores para o capítulo Aves do Município de Sorocaba, do livro “Biodiversidade do Município de Sorocaba: Atualização e Subsídios para a sua Conservação”, apontou a existência de 310 registros de espécies de aves na cidade. Esse número representa 40% das espécies de aves do Estado de São Paulo e 16% da avifauna nacional. A população pode acessar o livro em formato PDF no site da Secretaria do Meio Ambiente e Sustentabilidade (Sema): http://meioambiente.sorocaba.sp.gov.br/.

A ampliação da arborização urbana e a despoluição do rio Sorocaba ao longo dos últimos anos vem trazendo a Sorocaba uma série de benefícios que impactam positivamente na qualidade de vida da população. Além de um rio limpo, as pessoas têm à disposição mais de 25 parques arborizados espalhados pela cidade. Um resultado importante deste trabalho, realizado pela Prefeitura de Sorocaba, é a ampliação da biodiversidade de animais existente no município nos últimos anos.

Sobre o Coaves

Criado em 2012, pela Prefeitura de Sorocaba, por meio da Secretaria do Meio Ambiente e Sustentabilidade, o Coaves é um grupo independente, com a participação de jovens e adultos, das mais diversas formações e áreas de atuação na sociedade, interessados na observação de aves, fotografia e contato com a natureza.

A prática de observação de aves é uma atividade muito relaxante e prazerosa, podendo ser feita por qualquer pessoa e de qualquer idade, estimulando o conhecimento e o lazer saudável, além do contato com a natureza.

Até março de 2020, antes do início da pandemia da Covid-19, as reuniões do Coaves ocorriam aos finais de semana para observação de aves e levantamento de avifauna nas áreas verdes da cidade e região. O grupo também desenvolve atividades de Educação Ambiental em parceria com a Secretaria do Meio Ambiente e Sustentabilidade.

Pessoas interessadas em conhecer mais o sobre o grupo ou fazer parte podem entrar em contato por meio da rede social do clube no Facebook: /COAVES – Clube de Observadores de Aves de Sorocaba.

(Agência Sorocaba)


Compartilhe