Brasileiro é encontrado morto no Paraguai

Ao lado do corpo do jovem, os executores deixaram um bilhete de aviso.

Brasileiro é encontrado morto no Paraguai Foto: Reprodução/Facebook

Brasileiro é encontrado morto no Paraguai

Polícia Por: Thiago Silva - 28/09/2021

Foi encontrado no ultimo sábado (25), o corpo do brasileiro Rogério Laurete Buosi de 26 anos. Ele foi morto na cidade de Pedro Juan Caballero com cerca de 13 tiros derivados de uma pistola 9 mm, ao lado do seu corpo os policiais encontraram um bilhete manchado de sangue da própria vítima com os dizeres; “Não roubar na fronteira”.

A irmã do rapaz comentou que o mesmo havia se mudado para o Paraguai há cerca de dois meses e que havia ido a trabalho mediante o convite de amigos. Ele que residia em Araçatuba, interior de São Paulo, retornaria no mês de outubro para a casa dos familiares. De acordo com a irmã, Rogério era trabalhador e muito apegado a família, descartando a possibilidade de envolvimento com o crime.

Rogério vivia em uma casa alugada nas imediações do bairro Defensores Del Chaco, o seu corpo foi encontrado em um dos quartos da casa. Segundo a imprensa local, a casa não havia sinais de arrombamento o que sugere que Rogério conhecia o seu executor.

Até agora a polícia não apontou indícios de que o jovem era envolvido com o crime organizado. A casa que ele morava havia sido alugada por um paraguaio que até o momento não foi localizado para prestar depoimentos.

Segundo investigações, o assassinato tem a possibilidade de ser atribuído a um grupo conhecido pela alcunha de “Justiceiros de La Frontera”, um grupo atuante desde 2010 que é conhecido por executar pessoas envolvidas em delitos como roubos e furtos nas regiões das fronteiras. O grupo vinha a um tempo sem cometer os crimes, mas nos últimos meses vários assassinatos tem sido atribuídos aos mesmos, inclusive de brasileiros, e todos possuíam o mesmo modus operandi do caso de Rogério, execuções seguidas de avisos em bilhetes.

O corpo de Rogério foi sepultado na noite desta segunda feira (27). O Itamaraty segue acompanhando de perto o desenvolver das investigações.


Compartilhe