Polícia Civil de Ribeirão Dos Índios deflagra operação Virtual na Capital e Grande São Paulo

Crimes virtuais e engenharia social causaram prejuízo de R$ 2.271,80 a morador de Ribeirão dos Índios que necessitava de financiamento e aderiu a propaganda em redes sociais.

Polícia Civil de Ribeirão Dos Índios deflagra operação Virtual na Capital e Grande São Paulo Foto: Polícia Civil

Polícia Civil de Ribeirão Dos Índios deflagra operação Virtual na Capital e Grande São Paulo

Polícia Por: Thiago Silva - 26/08/2021

Crimes virtuais e engenharia social causaram prejuízo de R$ 2.271,80 a morador de Ribeirão dos Índios que necessitava de financiamento e aderiu a propaganda em redes sociais.

Durante esta madrugada e manhã de quinta feira (26/08/2021), 21 policiais civis da região de Presidente Prudente, reunidos a partir da Delegacia Seccional de Polícia de Presidente Venceslau, com apoio de policiais civis de Ribeirão Pires-Demacro, cumprem 07 (sete) mandados de busca e apreensão na Grande São Paulo, em busca de pistas para desestruturar um grupo criminoso que atua através de aplicativos, engenharia social e conversas por aplicativo de celular, com objetivo de obter vantagem indevida de moradores da região que precisam de dinheiro emprestado.

Com o relato da vítima (auxiliar de enfermagem) de Ribeirão dos Índios, município de 2.224 habitantes, policiais civis iniciaram investigações a partir das páginas das redes sociais e descobriram que um grupo criminoso, situado a 650 milhas da residência da vítima tem experiência golpes em pessoas de pequenas cidades da região de Presidente Prudente. A maioria das vítimas induzidas do empréstimo para alguma emergência e em vez de obter o suporte financeiro acabam pagando para liberação de burocracias elevados pelos criminosos, que fingem preparar documentos e pesquisas para liberação do financiamento. Outra vítima do grupo e que teve prejuízos na região é de Rosana-SP.

Com o avançar das investigações a polícia pretende recuperar valores para ressarcir o prejuízo.As cautelares de busca e apreensão resultaram na apreensão de equipamentos eletrônicos utilizados nas fraudes, documentos que revelam a movimentação financeira (Buscas ainda em andamento). Os investigados foram encaminhados para a Delegacia de Polícia de Ribeirão Pires e serão interrogados e indiciados. A pena de crime de estelionato é de 1 a 5 anos de reclusão e o grupo também será responsabilizado pelo crime de integrar organização criminosa e lavagem de capitais. Os correntistas que receberam o dinheiro ilícito serão indicados por lavagem de capitais e por associação integrar criminosa.

Após a prática do crime investigado nesta Operação da Polícia Civil, uma Lei Penal foi alterada com a entrada em vigor da Lei 14.155, de 27 de maio de 2021 e com a criação do crime de fraude eletrônica, o estelionato desses hipóteses passa a ter pena de 4 a 8 anos. A expansão da tecnologia e o confinamento decorrente da pandemia levou as pessoas a migrar muito mais intensamente para formas eletrônicas de se relacionar e, principalmente, os grupos vulneráveis ​​acabam sendo mais suscetíveis de serem enganadas pelos criminosos virtuais. O avanço tecnológico é essencial, mas o risco é potencializado para esses grupos vulneráveis, afirmou o delegado de polícia Everson Aparecido Contelli, que preside as investigações.

O nome da operação Virtude remete a virtude que segunda o dicionário Aurélio é a Disposição firme e constante para a prática do bem.


Compartilhe