Cuba provoca apagão digital

Para calar a população que estava protestando nas redes sociais.

Cuba provoca apagão digital Foto: EFE/ MARISCAL

Cuba provoca apagão digital

Política Por: Natalie Gallacci - 13/07/2021

A organização que supervisiona a internet confirmou que a atividade foi reduzida para zero após a quantidade de manifestações espontâneas contra o regime em Cuba. Bloquearam o acesso à internet, além dos cortes que está acontecendo nas linhas telefônicas, tornando a ilha insociável e excluída, o fato ocorreu após a grande quantidade de protestos contra o governo neste domingo (11/07).

Enquanto o presidente Miguel Díaz falava em rede nacional no período da tarde, para chamar os protestantes de mercenários, as mídias sociais eram silenciadas em todo o país. Segundo com a organização que supervisiona tráfegos na web como: Acess Now, Kentik.ink entre outros confirmaram que a atividade dos sites foi reduzida a zeros, restringindo  a divulgação de informações referente as prisões e desaparecidos, tal como a repressão dos manifestantes que afrontaram o regime, durante o segundo dia seguido.

O fundador do site Yucabyte e blogueiro, Norges Rodríguez, dedica seu tempo estudando os direitos dos cubanos a partir da tecnologia, observou que os protestos mostram que o regime acabou, Norges aproveita e compara a revolução digital em Cuba à Perestroika, que levou à extinção da União Soviética, no início da década de 1990: “O governo relutou muito em abrir o país à internet porque sabia que seria perigoso manter o poder da forma como lhe convém. Mas, por outro lado, sem internet não há desenvolvimento econômico possível, e as pessoas se deram conta de que o discurso de justiça social é mentiroso quando são exibidas imagens de privilégios entre autoridades.”

Segundo a ONG Cubalex, que devota seu tempo à defesa dos direitos humanos, no mínimo 150 pessoas foram presas desde domingo, entre os presos está: integrantes do Movimento San Isidro, a rede de artistas e ativistas que defende abertamente a mudança política em Cuba e tornou-se alvo preferido do regime.


Compartilhe