Equipamentos agrícolas são entregues a indígenas

Ato foi gerado pela Secretaria de Governo da Presidência da República.

Equipamentos agrícolas são entregues a indígenas Foto: Isac Nóbrega/PR

Equipamentos agrícolas são entregues a indígenas

Política Por: Natalie Gallacci - 19/08/2021

Foi entregue hoje (19/08) para as comunidades indígenas de vários estados 42 equipamentos agrícolas, como semeadeiras, grades aradoras e tratores, pelo Governo Federal. A ação ocorreu no decorrer da etapa Centro-Oeste do Seminário de Etnodesenvolvimento e Sustentabilidade, em Cuiabá, onde contou com a presença do presidente Jair Bolsonaro. O ato foi gerado pela Secretaria de Governo da Presidência da República em conjunto com a Fundação Nacional do Índio (Funai), tendo como finalidade debater a independência dos povos indígenas através do progresso de atividades econômicas e estimular a produção sustentável nas aldeias.

Conforme disse o presidente Jair Bolsonaro durante o evento, “O que o Estado tem que fazer, por muitas vezes, é não fazer nada para atrapalhar quem queira produzir. Quanto menos Estado mais desenvolvimento”. No decorrer do discurso, Bolsonaro lembrou que, quando sucedeu o governo, índios da etnia Paresi tinham multas em torno de R$ 130 milhões, que de acordo com ele, “já está resolvido". “Multar um produtor rural, seja ele qual for, não tem cabimento”, afirmou.

Os índios Peresi realizam o plantio mecanizado de culturas agrícolas em suas terras, tal como milho e soja, em conjunto com os fazendeiros da área de Campo Novo do Parecis, no norte de Mato Grosso, há alguns anos. As multas faladas pelo presidente são do Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e Recursos Naturais Renováveis (Ibama) e foram aplicadas depois do reconhecimento de irregularidades, como arrendamento de áreas, cultivo de transgênicos em terras indígenas e impedimento de regeneração natural de florestas. Segundo a Constituição, cabe aos indígenas o aproveitamento privado de suas terras. Foi postado pelo Funai e o Ibama em fevereiro deste ano, uma instrução normativa conjunta que libera espaço para produção agrícola no interior de terras indígenas, não somente pelos índios, mas também através de associações com outros os demais produtores não indígenas.

Fundação Nacional do Índio

Marcelo Xavier, presidente da Funai, defendeu a necessidade de montar um sistema diferenciado de desenvolvimento econômico para os índios, conforme a realidade local. De acordo com Xavier, o extrativismo de itens como babaçu, açaí e castanha, por exemplo, é uma excelente possibilidade para desenvolvimento de renda, já que os índios são coletores por natureza.

“Isso mostra que não há potencialidade só de agricultura de larga escala, há também potencialidade de agricultura de pequena escala, como é o caso de coleta de produtos e essências que dão dentro da própria terra indígena. É possível modular isso dentro de cada etnia sem degradação ambiental”, realçou.

De acordo com o presidente, além dos eventos que desejam aproximar iniciativa privada, poder público e indígenas, a Funai tem investido na compra de insumos, sementes, ferramentas, mudas e maquinários agrícolas para “fortalecer as atividades produtivas das aldeias”.

Tirando as entregas que ocorreram hoje (19/08), a entidade tem estimativa de investir mais R$2 milhões em equipamentos para o ano de 2022.


Compartilhe