“O sucesso do fracasso”. Manifestações contra Bolsonaro são inexpressivas em todo o país

Brigas, confusão e vandalismo marcaram os chamados “mini-protestos”.

“O sucesso do fracasso”. Manifestações contra Bolsonaro são inexpressivas em todo o país Foto: Reprodução redes sociasi

“O sucesso do fracasso”. Manifestações contra Bolsonaro são inexpressivas em todo o país

Política Por: Thiago Silva - 03/10/2021

Mais uma vez a esquerda em um geral, unida com a “terceira via”, realizaram protestos neste último sábado (2), contra a ordem democrática regente e contra o Presidente Bolsonaro. Sob muita confusão e gritaria, eles realizaram protestos inexpressíveis e em alguns pontos foram registrados vandalismo e agressões.

Um trio elétrico de luxo alugado por R$ 100 mil estava presente na Avenida Paulista, onde as lideranças de oposição puderam discursar em frente ao MASP para aproximados 8 mil manifestantes que se faziam presentes, segundo informações da Secretaria de Segurança Pública (SSP).

Grupos criminosos também se fizeram presentes, como o MTST, que recentemente invadiu a Bolsa de Valores de São Paulo. Eles queimaram bandeiras e imagens com a foto de Bolsonaro, inclusive um boneco com a foto do presidente foi hostilizado e incendiado em seguida.

Inúmeros sites e jornais apresentaram fotos e vídeos que faziam alusão a uma quantidade superior de integrantes nos atos contra o presidente, mas o que foi visto nas “MINIfestações”, comparadas ao 7 de setembro, foi absolutamente vexatório. A baixa adesão a esses movimentos só evidencia a falta de credibilidade de certos veículos de informação e pesquisa, como o Datafolha, que aponta constantemente a derrota do presidente Bolsonaro nas eleições de 2022. Lembrando que os atos Pró-Bolsonaro feitos no dia 7 de setembro levaram as ruas cerca de 1,5 milhões de pessoas somente na Avenida Paulista.

A internet não perdoou o fracasso dos protestos contra o presidente Jair Bolsonaro. Usuários de redes sociais e políticos aliados se uniram para mandar um recado a oposição. No Twitter, o grupo levantou a #BolsonaroReeleito, e levou a tag a ser um dos assuntos mais comentados da rede social.

Na Avenida Paulista ainda houve muita confusão e vandalismo, um grupo de baderneiros encapuzados intitulados “Black Blocs” rasgaram uma bandeira verde e amarela de aproximadamente 100 metros de comprimento. O grupo além de vandalizar o símbolo nacional entrou em conflito com outros manifestantes no local.

A polícia teve trabalho nesses atos e efetivou prisões contra três pessoas que praticaram furtos no local. Cinco aparelhos celulares foram apreendidos com os bandidos.

Ainda sobrou tempo de Ciro Gomes (PDT), ser hostilizado e quase linchado pelos presentes no local, após ele subir no carro de som e dizer que os esquerdistas eram “fascistas de vermelho”. Com essa declaração e sob fortes vaias o mesmo teve que sair escoltado, pois inúmeros manifestantes o esperavam armados com pedaços de pau para agredi-lo. Mais uma vez enfatiza-se que nas manifestações Pró-Bolsonaro do dia 7 de setembro, não houve um registro sequer de incidência ou problemas em todo o território nacional.

Alem de Ciro, estavam presentes os nomes e lideranças de sempre, com destaque para os acenos simpáticos para a esquerda dos possíveis presidenciáveis, Eduardo Leite (PSDB), Luiz Henrique Mandetta (DEMOCRATAS), Simone Tebet (MDB) e Alessandro Vieira (CIDADANIA), todos favoráveis aos atos antidemocráticos e pró-vandalismo ocorridos na tarde deste sábado (2).

Houve também manifestações em diversas cidades do Estado de São Paulo, e em outras capitais pelo Brasil a fora, todas com baixos números de presença.


Compartilhe