Teste do COVID-19 mais barato é desenvolvido para unidades de saúde

Kit é elaborado por cientistas de instituições públicas brasileiras.

Teste do COVID-19 mais barato é desenvolvido para unidades de saúde Foto: Josué Damacena (IOC/Fiocruz)

Teste do COVID-19 mais barato é desenvolvido para unidades de saúde

Saúde Por: Natalie Gallacci - 08/07/2021

Criada por cientistas do Instituto Federal de Santa Catarina e o Instituto Oswaldo Cruz (IOC/Fiocruz), da Universidade Federal de Santa Catarina em parceria com a empresa SPK Solutions, sendo capaz de identificar o novo coronavirus em 45 minutos, contendo alto nível de acerto. Utilizando a tecnologia RT-Lamp (Reverse Transcription Loop-mediated Isothermal Amplification). Uma tecnológica um tanto nova, criada em 2012, baseada numa técnica de biologia molecular chamada de Amplificação isotérmica medida por loop (em tradução livre). Já usada por cientistas que estudam vírus, contando com os vírus da dengue, chikungunya e zika.

De acordo com o instituto Oswaldo Cruz, que divulgou a pesquisa, o kit realizou 96% de sensibilidade e 98% de especificidade em amostras orofaringe coletadas com o cotonete do tipo swab. Permitindo também ser realizado o teste por meio da saliva, contendo uma sensibilidade menor, de 70%, no entanto, caso o paciente esteja em jejum desde cedo, o kit pode alcançar até 100%, de acordo com os cientistas. 

Além do fato do RT-Lamp precisar de menos profissionais e equipamentos, o kit para teste RT-PCR pode custar até R$ 100, o RT-Lamp está sendo em torno de R$ 30. De acordo com o instituto, o equipamento necessário para realizar o teste é um banho-maria ou banho seco, onde qualquer profissional treinado poderá utilizar, diferente do RT-PCR que necessita de um especialista em biologia molecular. 

Em conjunto foi divulgado também que os cientistas estão a procura de parceiros para produzir e fornecer o kit, além de uma escala de produção industrial, o kit precisa ser submetido à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) antes de chegar à unidades de saúde do Brasil.


Compartilhe