Doença de Haff se espalha no norte e nordeste brasileiro

A multiplicação de casos da chamada “doença da urina preta” esta alarmando autoridades sanitárias na região.

Doença de Haff se espalha no norte e nordeste brasileiro Foto: Fabiana de Paula

Doença de Haff se espalha no norte e nordeste brasileiro

Saúde Por: Thiago Silva - 16/09/2021

A multiplicação de casos da chamada “doença da urina preta” esta alarmando autoridades sanitárias na região. Nos últimos dias em varias cidades do norte e nordeste brasileiro o numero de casos da doença de Haff ou doença da urina preta, tem chamado a atenção e preocupado secretarias de saúde e autoridades sanitárias. Já são registrados e monitorados casos em pelo menos quatro estados: Pará com 3 casos e 1 óbito, Amazonas com 61 casos e 1 óbito, Bahia com 13 casos e Ceará com 9 casos. Todos seguem sendo investigados pelas autoridades competentes. Varias cidades já proibiram a venda e o consumo de determinados espécimes de peixes como pirapitinga, pacu e tambaqui por 30 dias, a intenção é evitar a proliferação do contagio da doença uma vez que a mesma é contraída pelo consumo de carne de peixes infectados.

A doença é causada por uma toxina termoestável encontrada em peixes e crustáceos que, quando não guardado e acondicionado de forma correta ou deriva de procedência duvidosa, cria-se essa toxina que não propõe alternância no alimento nem por cheiro e nem por sabor fazendo com que ao ingerido mesmo cozido provoque a destruição das fibras musculares esqueléticas liberando elementos de dentro dessas fibras no sangue causando danos no sistema muscular e órgãos, principalmente rins. É indicado segundo especialistas evitar o consumo desses peixes citados acima e apenas consumir carne com selo de qualidade e procedência.

Os sintomas conhecidos surgem de 2 a 24 horas após ingerir o alimento contaminado, a pessoa infectada geralmente relata intensa e repentina dor e rigidez nos músculos, urina marrom ou preta semelhante a cor de café, dormência e fraqueza. Na presença desses sintomas é recomendado imediato comparecimento ao medico para confirmação de diagnostico e tratamento. O tratamento varia desde analgésicos pré-escritos e hidratação constante ou a casos mais graves que é necessário tratamento com hemodiálise.

O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), informou nesta quarta feira (15) que todos os casos notificados e as investigações em curso sobre a doença de Haff, estão sendo acompanhados por equipes da pasta e de epidemiologia do Ministério da Saúde com a cooperação com os Laboratórios Federais de Defesa Agropecuária e o Instituto Federal de Santa Catarina (IFSC).


Compartilhe