Cookie Consent by TermsFeed Generator

Ministério muda plataforma para consulta sobre vacinação de crianças

No mesmo dia em que abriu uma consulta pública sobre a vacinação de crianças de 5 a 11 anos, o Ministério da Saúde comunicou na tarde desta sexta-feira (24) que teve de alterar uma plataforma onde a sondagem foi disponibilizada.

Ministério muda plataforma para consulta sobre vacinação de crianças Foto: Reprodução

Ministério muda plataforma para consulta sobre vacinação de crianças

Saúde Por: Alexandre Branco - 26/12/2021

No mesmo dia em que abriu uma consulta pública sobre a vacinação de crianças de 5 a 11 anos, o Ministério da Saúde comunicou na tarde desta sexta-feira (24) que teve de alterar uma plataforma onde a sondagem foi disponibilizada.

Segundo uma massa, devido ao grande número de acessos, uma consulta teve de ser migrada para uma plataforma Gov.br. Foi criado um novo link para acessar o formulário e deixar como contribuições

A consulta pública ficará aberta até dia 2 de janeiro. A possibilidade de imunização de crianças de 5 a 11 anos foi aprovada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) no dia 16 de dezembro.

O governo abriu a consulta não somente a profissionais como a leigos. Na quinta-feira (23), o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, defendeu a consulta e afirmou que as mortes de crianças por Covid-19 ainda estavam em um patamar que não exige ações emergenciais.

As entidades médicas se posicionaram pela inclusão da imunização desse público-alvo no Programa Nacional de Imunizações (PNI). As sociedades brasileiras de Pediatria (SBP), Imunizações (SBIm) e de Infectologia (SBI) se manifestaram favoráveis ​​à vacinação de crianças “por entenderem que os benefícios da vacinação na população de crianças de 5 a 11 anos, com uma vacina Comirnaty, não contexto atual da pandemia, superam os acessórios associados à vacinação ”.

Antes da tomada de decisão de mudar a plataforma, o site do Ministério da Saúde esteve por um bom tempo fora do ar e foi disponibilizado um formulário que não respeitaria as práticas básicas de privacidade e segurança exigidas pela Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) .

Na tarde de sexta-feira (24), a consulta migrou para uma nova plataforma, mas ainda se mantinha instável.

O Ministério da Saúde avisa que a manutenção é constante.

O formulário inicial, escolhido pelo governo para fazer a consulta pública, era uma página simples utilizando uma plataforma da Microsoft para formulários. Ele ainda segue no ar, apesar de não estar mais sendo apresentado nas páginas governamentais. De acordo com a pasta, as respostas por esse primeiro formulário ainda serão utilizadas.


Compartilhe