Substância em veneno de serpente brasileira dificulta evolução da COVID-19

A proteína encontrada no veneno da jararacuçu tem ação antibacteriana e pode ajudar no tratamento da COVID-19

Substância em veneno de serpente brasileira dificulta evolução da COVID-19 Foto: Instituto Vital Brasil / Reprodução

Substância em veneno de serpente brasileira dificulta evolução da COVID-19

Saúde Por: Natalie Gallacci - 25/08/2021

Foi identificado por estudiosos de universidades paulistas uma proteína encontrada no veneno da cobra jararacuçu que pode colaborar para o tratamento da COVID-19. A pesquisa da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (Unesp), em Araraquara (SP), foi divulgada na revista científica Molecules, dia 12 de agosto. O peptídeo detectado, em outros termos, uma parte da proteína, dificultou em 75% da capacidade do vírus de se reproduzir em células de macaco.

Foi explicado pelo professor do Instituto de Química, Eduardo Maffud, e um dos responsáveis pelo estudo, que o grupo de pesquisa já teria reconhecido toxinas no veneno da jararacuçu, que possuíam ação antibacteriana. “Com o avanço da covid, a gente posicionou vários dos nossos peptídeos para ver se eles apresentavam atividade contra o SARS-CoV-2. Felizmente a gente obteve esse resultado interessante”, declarou o professor.

Segundo o pesquisador, um provável medicamento com o composto encontrado, ao retardar a replicação do vírus da COVID-19, daria mais tempo para o organismo operar e gerar os anticorpos necessários para suportar o vírus. “Isso ainda está em andamento, precisaria de estudos adicionais, mas a gente viu que esse peptídeo impede a replicação ou a multiplicação das partículas virais”, completa Maffud.

Os cientistas vão analisar também a eficácia de diferentes dosagens da molécula, e se ela é capaz de realizar funções de proteção na célula, o que seria capaz de evitar até mesmo a entrada do vírus no organismo.

De acordo com o pesquisador, as pesquisas vão continuar com o reconhecimento de outros alvos em que esse peptídeo é capaz de agir e no aprimoramento da ação dessa molécula para, portanto, serem realizados testes in vivo em cobaias, como ratos. “Se o resultado for positivo, vamos desenvolver um tratamento.”


Compartilhe