Pela primeira vez fora da capital, Sorocaba sedia Fórum Permanente de Mobilização Contra as Drogas

Sorocaba sediou, nesta segunda-feira (21), no Parque Tecnológico (PTS), o Fórum Permanente de Mobilização Contra as Drogas.

Pela primeira vez fora da capital, Sorocaba sedia Fórum Permanente de Mobilização Contra as Drogas Foto: Agência Sorocaba.

Pela primeira vez fora da capital, Sorocaba sedia Fórum Permanente de Mobilização Contra as Drogas

Saúde Por: Alexandre Branco - 21/06/2021

Sorocaba sediou, nesta segunda-feira (21), no Parque Tecnológico (PTS), o Fórum Permanente de Mobilização Contra as Drogas, organizado pelo Ministério da Cidadania em parceria com a Prefeitura.

O evento contou com a presença, além do anfitrião e prefeito de Sorocaba, Rodrigo Manga; do ministro da Cidadania, João Roma; dos deputados federais Marcos Pereira, Jefferson Campos, Vitor Lippi e Capitão Derrite; dos deputados estaduais Altair Moraes, Rodrigo Moraes e Danilo Balas, do secretário nacional de Cuidados e Prevenção às Drogas (Senapred), Quirino Cordeiro Júnior; do secretário municipal da Cidadania, Clayton Lustosa; do apresentador, repórter e palestrante Rafael Ilha, além de outras autoridades, secretários municipais, vereadores e prefeitos de Sorocaba e região, representantes de entidades assistenciais, clínicas médicas, agentes de segurança pública e convidados presentes.

O prefeito Rodrigo Manga, escolhido como vice-presidente de Políticas sobre Drogas da Frente Nacional de Prefeitos (FNP) em 2021, deu às boas-vindas a todos. “Sorocaba, desde o início deste ano, tem feito todos os esforços para enfrentar a questão das drogas da maneira mais adequada, como as abordagens sociais a pessoas com problema de dependência química e que estão em situação de rua, além das intervenções nas minicracolândias. Por isso, é fundamental essa parceria com o Ministério da Cidadania”, destacou.

O deputado federal Jefferson Campos falou na sequência, ressaltando a importância da união de esforços na luta contra as drogas na sociedade. “É uma doença que atinge, não só o dependente, mas toda a família. E queremos implantar, em Sorocaba, um modelo de enfrentamento que possa se espalhar por todo o Brasil”, afirmou.

O deputado federal Vitor Lippi chamou atenção para o triste fato de o Brasil ser o maior consumidor de crack do mundo e o segundo em cocaína. “São lideranças que não nos orgulhamos de ter. É uma tristeza para nosso país. Vemos milhões de jovens nas ruas, sem nenhuma perspectiva. Precisamos, com certeza, fazer muito mais, desenvolvendo parcerias, como essas, que permitam isso.”

Também falou ao público o deputado federal Capitão Derrite. “Cerca de 30% da população carcerária, hoje, é de pessoas que estiveram envolvidas com o tráfico de drogas. Estamos falando de mais de 250 mil pessoas. Portanto, nosso esforço é no sentido de tirar as pessoas das drogas, e não de legalizá-las. E falo com orgulho de um programa, como o Proerd (Programa Educacional de Resistência às Drogas e à Violência), que atua justamente na prevenção.”

Por sua vez, o deputado federal Marcos Pereira parabenizou o prefeito Rodrigo Manga e comentou o quadro da drogadição no país. “Fiquei impressionado com os números citados. E, mais triste ainda, descobri que 80% de todo o crack produzido no mundo é consumido aqui. Mas tenho a certeza de que a assinatura desse convênio trará muito resultados positivos, não só para a cidade, mas para toda a Região Metropolitana”, disse o parlamentar, referindo-se ao Termo de Cooperação Técnica assinado em seguida, durante o Fórum, entre a Prefeitura de Sorocaba e o Governo Federal, para o desenvolvimento e a implantação de ações de redução da demanda por drogas, prevenção, promoção à saúde, cuidado, tratamento, acolhimento, apoio, mútua ajuda e reinserção social, em consonância com a nova Política Nacional sobre Drogas  PNAD.

Logo após, o ministro da Cidadania, João Roma, destacou os esforços do Governo Federal no sentido de promover a saúde, frente à problemática das drogas. “Nosso trabalho é no sentido da promoção à saúde, acolhimento e reinserção social. Faço questão de destacar o valoroso papel das comunidades terapêuticas, fator central na recuperação dos dependentes químicos e no suporte às pessoas acolhidas e seus familiares. São 69 unidades apenas no estado de São Paulo e quase 500 no Brasil inteiro. Precisamos levar às crianças, às escolas e aos nossos jovens a mensagem da saúde”, concluiu.

Ele destacou, ainda, o lançamento do Programa de Aquisição de Alimentos (PAA), que prevê a compra de alimentos da agricultura familiar e a sua doação para entidades assistenciais que atendam pessoas em situação de insegurança alimentar e nutricional. Em seguida, fez referência ao ato simbólico da doação de luvas para proteção de profissionais da assistência social e munícipes. Com o objetivo de reduzir os riscos de disseminação do Coronavírus (Covid-19), as luvas serão utilizadas na manipulação de alimentos pela Secretaria da Cidadania e entidades assistenciais, em ações direcionadas à população em situação de rua.

Palestras e depoimento

A segunda parte do Fórum Permanente de Mobilização Contra as Drogas teve caráter técnico, com três palestras sobre o assunto.

Na primeira delas, o secretário nacional de Cuidados e Prevenção às Drogas (Senapred), Quirino Cordeiro Júnior, falou sobre “Os dois anos da Política Nacional sobre Drogas”. Ele detalhou as ações do Governo Federal voltadas à prevenção e ao combate do uso de drogas, bem como aos cuidados com os dependentes químicos e suas famílias.

Nesse contexto, citou a importância da nova Política Nacional sobre Drogas  PNAD, baseada no Decreto 9.761/2019, e das campanhas de prevenção que estão sendo realizadas em todo o país. “Montamos uma rede de apoio aos familiares dos dependentes químicos. O número de vagas de atendimento saltou de 2.900, em 2018, para 11 mil no ano seguinte. São 486 comunidades terapêuticas conveniadas, com 1.651 vagas”, frisou o secretário.

“Mas o assunto do momento é o Projeto 339/2015, que tramita no Congresso e propõe o marco regulatório da maconha no Brasil. Temos que coibir qualquer ação, como essa, de flexibilização do controle de drogas”, complementou. Quirino Cordeiro Júnior ainda enalteceu a política adotada atualmente de transformar em recursos para o combate às drogas os veículos e demais bens apreendidos pelas polícias de traficantes.

O segundo palestrante foi o apresentador e repórter Rafael Ilha, que contou sobre seu passado ligado às drogas, a luta pela recuperação, a superação dessa fase e sua atuação como agente de prevenção às drogas há quase duas décadas. “No fim das contas, trata-se de uma história de vitória, de mostrar que é possível sair do vício”, resumiu.

Segundo Rafael Ilha, a força de vontade e a fé são determinantes para a mudança de comportamento. “A pessoa vive uma guerra interna e qualquer ajuda é importante, mas é preciso que o dependente químico busque todo tipo de apoio e esteja disposto a mudar de vida. A prevenção é a chave da recuperação”, finalizou.

O secretário municipal da Cidadania, Clayton Lustosa, encerrou a segunda parte do evento, mostrando dados da política sobre drogas em Sorocaba, cuja atuação está baseada em rês eixos: prevenção, recuperação e reinserção social, tendo como carro-chefe o programa “HumanizAção”, realizado desde fevereiro deste ano pela Prefeitura de Sorocaba, para atender um contingente de pessoas, quase na totalidade dos casos, sem novas perspectivas de vida.

“Desde que o programa foi implantado, 52 pontos de consumo de entorpecentes foram identificados e desfeitos no município. Encaminhamos para acolhimento social 1.849 pessoas em situação rua e identificamos que 80% desse público vieram de outra cidade, sendo que 81% se declararam dependentes químicos”, explicou o secretário municipal.

Ele lembrou que a Prefeitura de Sorocaba retomou os trabalhos da Coordenadoria de Políticas de Combate às Drogas da Secid e que está em processo de reativação o Conselho Municipal de Políticas Sobre Drogas, cujas atividades estão paralisadas há, pelo menos, três anos. “Ampliamos a rede de atendimento e estamos oferecendo a oportunidade de resgate da dignidade dessas pessoas. A nossa meta é tornar Sorocaba referência em política de prevenção e combate às drogas na Região Metropolitana”, concluiu.

(Agência Sorocaba)


Compartilhe